22 de novembro de 2010

Casal Mahle recebe homenagem do Rotary Club Paulista

O Rotary Club Paulista-Piracicaba presta hoje merecida homenagem ao casal Ernst e Cidinha Mahle. Na ocasião, o quarteto de cordas OPUS4 e os cantores líricos Marcos Tadeu Januário, Antônio Pessotti e Ana Foizer executarão peças do maestro Mahle e áreas de óperas de outros compositores. Programação imperdível!

O recital para o casal Mahle terá início às 20h, na Casa da Amizade, sede do Rotary Club em Piracicaba-SP, à Avenida Luciano Guidotti, 2.223, com entrada franca.

4 de novembro de 2010

Inscrições para a Virada e o Circuito Cultural 2011

As inscrições para a Virada e o Circuito Cultural Paulista 2011 estão abertas. A Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo já está recebendo propostas de espetáculos de teatro, música, dança, circo e outras modalidades artísticas, de artistas e grupos interessados em participar desses eventos. A Virada é tida como o maior evento cultural do interior: neste ano, 30 cidades paulistas participaram dela, que ofereceu 1.070 atividades e envolveu mais de 2 mil artistas e técnicos.

Os interessados devem preencher o formulário de inscrição online neste endereço: www.inscricoescircuitoevirada.sp.gov.br. É preciso disponibilizar, entre outros dados, links para visualização (no caso de espetáculos de artes cênicas) ou audição (como de shows musicais), na íntegra, em site oficial, youtube ou myspace (caso não consiga publicar na íntegra, é necessário trecho do espetáculo corrido com duração de 7 a 15 min.).

As inscrições vão até o dia 30 de novembro e, após a avaliação, as equipes de cada programa entrarão em contato com os selecionados.

Foto: Jac©Edit

2 de novembro de 2010

À caça de um assassino

Estreia nesta semana a peça que levará
literalmente sua assistência em busca
de um assassino pela
Praça do Relógio da USP!
Vá com roupa e calçado confortáveis –
a perseguição será longa!
Todas as 5.as e 6.as de novembro, às 20h.
www.coletivodegalochas.blogspot.com

1 de novembro de 2010

Marilu Trevisan expõe ‘Calendários’

A artista plástica Marilu Trevisan fará abertura de sua mais nova exposição Calendários, no próximo dia 5/nov. (sexta), às 2oh, em seu ateliê, à Rua Dez de Novembro, 142, no bairro S. Judas Tadeu, em Piracicaba. A visitação a esses trabalhos poderá ser feita até 5/dez., no horário comercial.

Formada em artes plásticas (Faculdade de Belas Artes de São Paulo), educação artística (Faficile) e pedagogia (Unimep), Marilu é reconhecida como pesquisadora em técnicas como isogravura em cerâmica, papel, tecido e, muito especialmente, em xilogravura. Em seu ateliê em Piracicaba, Marilu também ministra oficinas e tem suas obras em permanente exposição.

Mais informações: (19) 3035-4650; marilu@folha.com.br; www.brechodaxilogravura.com.br

29 de outubro de 2010

Abertura do 42.º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba

O 42.º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba será aberto neste sábado (30/out.) e suas atividades que se estenderão até 5/dez., em três locais da cidade: Pinacoteca Municipal, SESC Piracicaba e Centro Cultural Martha Watts. Dentre os trabalhos selecionados para a exposição na Pinacoteca está o conjunto de fotografias Turismo, de Danilo Salvejo (uma delas ilustrando esta postagem), que, junto com outros 32 artistas, estarão compondo a mostra deste Salão de Arte.

Programação
30/out., às 20h, abertura da exposição dos trabalhos selecionados na Pinacoteca Municipal (visitação até 5/dez.)
30/out., das 9h30 às 17h, curso de formação de professores com Denise Grinspum, no SESC Piracicaba
9 a 26/nov., exposição de documentos históricos do Salão, no Centro Cultural Martha Watts
12/nov., às 20h, leitura pública de portfólios por Fernando Oliva, na Pinacoteca Municipal
16/nov., às 20h, leitura pública de portfólios por Márcio Harum, na Pinacoteca Municipal
20 e 21/nov., das 14h às 18h, curso sobre processo de criação com Cláudia França, no SESC Piracicaba
23/nov., às 20h, leitura pública de portfólio por Samantha Moreira na Pinacoteca Municipal
1.o/nov., às 20h, palestra “O artista como curador”, com Ricardo Basbaum, no SESC Piracicaba
6/dez., às 20h, lançamento do catálogo e encerramento, na Pinacoteca Municipal

Locais das atividades, todos no centro de Piracicaba
. Pinacoteca Municipal Miguel Dutra Rua Moraes Barros, 233, (19) 3433-4930
. SESC Piracicaba Rua Ipiranga, 155, (19) 3437-9292
. Centro Cultural Martha Watts Rua Boa Morte, 1.257, (19) 3124-1989

Biblioteca Municipal de Piracicaba em nova sede

A Biblioteca Pública Ricardo Ferraz de Arruda Pinto, em Piracicaba, inaugura esta noite (29/out.) sua nova sede, à Rua Saldanha Marinho, 333, atrás do Hotel Beira-Rio. Com arrojado projeto arquitetônico e condições de atendimento simultâneo a 100 usuários, além de novas poltronas para a leitura e salas de estudo, as instalações desse prédio disporão, em seus 2,4 mil metros quadros, de acervo próprio sobre a cidade, biblioteca em Braille, café, anfiteatro, auditório, espaço para exposições e duas salas de estudos para pesquisadores.

O investimento municipal na construção do prédio foi da ordem de R$ 2,9 milhões e nele o usuário terá acesso gratuito à web por wireless e, em breve, todo o seu acervo estará disponível por sistema informatizado de localização, esse em fase de conclusão de montagem.

A festividade desta noite terá participação da Banda da Guarda Mirim, performance de atores vestidos como personagens da literatura, que declamarão poesias de vários autores. E contará ainda com apresentação especial do quarteto de cordas OPUS4. Ótima programação para abertura do fim de semana esticado por feriado!

25 de outubro de 2010

Livro sobre Lefort tem outro lançamento em Recife

O livro O Enigma da Democracia. O pensamento de Claude Lefort, de Luciano Oliveira, terá novo lançamento em Recife-PE. Agora será durante o Seminário ‘Crítica à Pesquisa em Direito: Não fale do Código de Hamurabi’, promovido pela Universidade Católica de Pernambuco-Unicap. Após a mesa “Crítica à Pesquisa em Direito”, que abrirá o evento (3/nov., quarta) no Anfiteatro G-4, e contando com a presença de Luciano como um dos expositores, haverá o lançamento deste título da Jacintha.

As inscrições para o seminário, de 3 a 5 de novembro, podem ser feitas pelo site da Unicap, com 80 vagas disponíveis. No mesmo endereço eletrônico há o link para a programação completa do evento. Ele contará ainda com transmissão via webcast, com o que desde as universidades promotoras será possível acompanhar on line todos os debates e deles participar.

Lefort – E por falar no pensador francês, morto dia 3 de outubro passado, cabe registrar o quase absoluto desconhecimento que tal fato teve na grande imprensa. À excessão, até onde pudemos registrar, a um breve texto publicado na Folha de S.Paulo domingo passado. Em “Lefort, coluna ausente”, João Almino retoma uma nota introdutória, por ele escrita em 1985, quando vivia no México, a um texto de Claude Lefort (1924-2010) que seria publicado na revista Vuelta, de Octavio Paz.

Nesse artigo para a Folha, Almino destaca Lefort com o "grande pensador daquilo que chamou de revolução democrática, uma revolução radical e sem fim, sempre capaz de expandir as fronteiras do possível. A sociedade democrática, sociedade sem corpo, marcada pela indeterminação e pelas divisões sociais, está sempre em busca de seu próprio fundamento”. Para acessar na íntegra tal texto, clique aqui neste link.

24 de outubro de 2010

Solistas de Paulínia tocam Mozart e Brahms em concerto gratuito na Unimep

No próximo dia 31 de outubro (dom.), às 18h, o Teatro Unimep, da Universidade Metodista de Piracicaba, estará oferecendo ao público da cidade e região, um ótimo espetáculo musical, tanto para aqueles que já apreciam música erudita quanto para os que ressentem de oportunidades para travar contato com apresentações de qualidade desse campo musical. Trata-se do concerto do grupo Solistas de Paulínia, do Theatro Municipal de Paulínia, que executará, junto com músicos convidados, duas obras-primas do repertório camerístico, o Quinteto n.º 2 para cordas K515, de Mozart, e o Sexteto n.º 1 para cordas op. 18, de Brahms.

A programação Solistas de Paulínia em Tournée, da qual faz parte este evento, pretende contribuir para a formação de novos públicos para a música clássica, sendo aberto à população em geral e com entrada franca. Composto pelos violinistas Pablo de León (primeiro-violino, ou spalla, das orquestras sinfônicas Municipal de São Paulo e Brasileira do Rio de Janeiro) e Horacio Schaefer (spalla do naipe das violas da Osesp) e o violoncelista Roberto Ring (ex-Osesp/Orquestra Sinfônica de São Paulo), o grupo (foto) traz a público obras importantes de grandes compositores da música erudita.

Desde 2005, os Solistas de Paulínia têm realizado uma média de 30 a 50 concertos anuais, sempre dividindo o palco com artistas e grupos renomados. Na temporada de 2009, o trio foi adotado pelo Theatro Municipal de Paulínia e, em abril de 2010, representaram o Brasil nas comemorações do bicentenário da Argentina no Festival de Ushuaia.

No concerto a ser apresentado em Piracicaba, os seus convidados são Cláudio Cruz (violino, há 20 anos spalla da Osesp), Renato Bandel (viola, com sete anos de estudos na Alemanha, dois dos quais em estágio na Filarmônica de Berlim, é coordenador artístico-pedagógico do Festival de Inverno de Campos do Jordão) e André Micheletti (violoncelo, com duplo doutorado na Universidade de Indiana, EUA, é professor na Unicamp e coordenador pedagógico do Projeto Cidadão Musical, do projeto Concertos Paulínia). Por sinal, Renato e André são piracicabanos e iniciaram sua formação na Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Mahle.

Teremos, assim, três destacados cameristas da cena musical brasileira formando com os Solistas de Paulínia um sexteto com pares instrumentais de violinos, violas e violoncelos. O programa começa com o Quinteto n.º 2 em dó maior K515, de 1787, para dois violinos, duas violas e um violoncelo, que é uma das mais refinadas obras do repertório camerístico de Mozart. Na segunda parte, com os seis músicos no palco, será paresentado o Sexteto para cordas n.º 1 em si bemol maior op. 18, de Brahms, escrito nos anos 1858-1860.

Confira Série Solistas de Paulínia em Tournée: 31/out. (dom.), às 18h, no Teatro Unimep (Rod. do Açúcar, km 156, Taquaral/Piracicaba), 787 lugares
Entrada franca – doação espontânea de 1 kg de alimento não perecível
Realização: Pref. de Paulínia e Sec. Municipal de Cultura de Paulínia; promoção: EPTV; apoio: NUC/UNIMEP
Informações e entrevistas: Interarte Produções Artísticas – (11) 3081-1911; www.interartemusica.com.br
Foto divulgação: Bob Wolfenson

18 de outubro de 2010

"À Deriva" no Diálogo Cinemático

O caminho pelo qual uma menina se torna adulta é quase uma alquimia: existe um fio tênue, mas decisivo, que separa um desejo paterno incestuoso de um olhar do pai que confira à menina a certeza de que ela é desejável como mulher. Contardo Galligaris

À Deriva será objeto do Diálogo Cinemático, projeto promovido pela Clínica de Psicanálise de Piracicaba, neste sábado (23/out.). Dirigido pelo pernambucano Heitor Dhalia, o filme retrata Filipa (a estreante Laura Neiva, 14 anos) em seu processo de ingresso na vida adulta. Durante as férias da família em Búzios, a adolescente, ao lado do pai escritor (Vincent Cassel) e da mãe com tendência ao alcoolismo (Débora Bloch), precisa lidar com questões como sexualidade, confiança, maturidade e liberdade para deixar a inocência juvenil para trás. O pano de fundo da trama é a crise conjugal dos pais, que leva à desarmonia familiar.

Como mediador do debate que se seguirá à projeção estará Heitor Amílcar, membro do Grupo de Estudos em Psicanálise de Rio Claro. Para ele, o filme estabelece em seu formato um contraste entre planos fechados, sempre com uma câmera bem livre, e os abertos (elaboradíssimos) que bem pode equivaler à também oposição entre o clima de férias, como que permanente (paisagem tropical idílica e corpos bronzeados), com a angústia do crescimento íntimo, vivido por Filipa.

Ao eixo central de À Deriva – a transformação da filha menina em mulher, passagem marcada pelo olhar do pai (em seu desejo) – cabe ser acrescido algo que perpassa a própria narrativa. O olhar de Filipa é o fluxo principal desse contar: as impressões dela tendem a dar efetividade aos fatos. Contudo, no filme, cada personagem acaba sendo constituído um pouco como culpado e um pouco como inocente, aliás, feito a vida de todos nós.

Assim, essa tendência de se enveredar, como é comum, pela impressão inicial leva, ao fim, à percepção de que, no mais das vezes, estamos é boiando, à deriva, posto ser a realidade composta também pela dinâmica e complexidade dos outros viventes. Nesse sentido, o conceito lacaniano de sujeito suposto saber e de sua concepção de psicanálise como ética podem ser tidos com abordagens mais difusas a serem capturadas nesse balouçante olhar sobre as emoções – próprias e as do outro.

Filme
: À Deriva, 1o7 min, 2009; dir.: Heitor Dhalia (Nina e Cheiro do Ralo); fotog.: Ricardo Della Rosa; com Laura Neiva, Vincent Cassel, Débora Bloch, Camilla Belle, Cauã Reymond e Gregório Duvivier
Sessão: 23/out. – sáb., às 15h
Local: Clínica de Psicanálise – R. Prudente de Moraes, 1.314 – Bairro Alto/Piracicaba
Inscrições gratuitas: mmariguela@gmail.com (vagas limitadas)
Foto: divulgação

16 de outubro de 2010

Convida-se!

Acompanhem a trajetória de um assassino
pela Praça do Relógio (USP), em São Paulo.
O ponto de encontro será a torre do relógio, no centro da praça.
Venham com roupas confortáveis,
agasalho e tênis – a trajetória é longa!

Conhecimento científico sob o foco filosófico

"O aspecto mais triste da vida de hoje é que a ciência ganha em conhecimento mais rapidamente que a sociedade em sabedoria." Essa frase de Iaac Assimov pode muito bem ser tida como linha de foco da Semana de Estudos Filosóficos que o Centro Acadêmico de Filosofia Immanens da Unimep prepara para os dias 20 a 22 de outubro.

Com o apoio dos cursos de Filosofia e de História da universidade, o evento será dedicado à reflexão sobre o conhecimento científico e seus paradigmas. A programação envolverá a projeção de filmes e debates sobre eles, promovidos pelo projeto Sessão 3C, além de palestras com inúmeros professores convidados. Veja a programação completa no site do Centro Acadêmico de Filosofia Immanens.

Local: Unimep/Piracicaba, campus Taquaral, bl. 2, Salão Verde

'Tentativa' é apresentada na ECA/USP

Teatro do Arquipélago
apresenta

TENTATIVA
ação pela qual alguém se esforça para obter determinado resultado; ensaio, experiência: tentativa inútil

com Tatiana Schunck
direção Henrique Schafer

outubro: 9, 10, 16, 17, 30 e 31
sábados: 20h30, domingos: 19h
ECA / USP / CAC, sala 24

10 de outubro de 2010

Educativa nas Letras é finalista do Prêmio Vivaleitura

O programa radiofônico Educativa nas Letras, idealizado e produzido pela Biblioteca Pública Municipal de Piracicaba/SP, acaba de ser selecionado como finalista ao Prêmio Vivaleitura, entre 1.829 projetos inscritos em suas três categorias. Criado em 2005 para estimular, fomentar e reconhecer as melhores experiências que promovam a leitura, o prêmio é patrocinado pela Fundação Santillana e fruto da iniciativa do Ministério da Educação e o da Cultura e da Organização dos Países Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).

Parabéns ao time do Educativa nas Letras e a seus patrocinadores! O Vivaleitura é considerado simplesmente o maior reconhecimento individual de projetos de incentivo à leitura no Brasil. Ele conquistou abrangência nacional e este ano recebeu trabalhos provenientes de todos os Estados. Os três vencedores de cada uma das categorias receberão prêmio de R$ 30 mil.

O Educativa nas Letras está no ar há cinco anos e é transmitido pela Rádio Educativa FM. Tem em sua direção o músico e pesquisador de teoria literária Alexandre Bragion (foto acima) e, como mediadora, Lucila Calheiros (foto abaixo), diretora da Biblioteca Municipal, que têm promovido um inestimável serviço à difusão cultural com efetivo impacto na difusão da área literária. A proposta do programa é justamente cativar o ouvinte e inseri-lo no universo da leitura. Para tanto vale-se de entrevistas com escritores e produtores culturais, declamações de poesia, leituras de trechos de livros, exposições críticas e noticiosas, além de uma primorosa seleção musical, que confere ainda mais atrativo a suas pautas semanais.

Disputando na categoria ‘Bibliotecas Públicas, Privadas e Comunitárias’, o Educativa nas Letras concorrerá na final, no dia 19 novembro próximo, em Brasília, com os projetos ‘O Conto no Assentamento Filhos de Sepé’ (Viamão/RS), ‘Que Chita Bacana’ (Jaboatão dos Guararapes/PE), ‘Centro Educacional e Cultural Kaffehuset Friele’ (Poços de Caldas/MG) e ‘Biblioteca Interativa Silvia Leeven’ (Campinas/SP).

Estamos desde já na torcida pela turma do Educativa nas Letras, que por sinal está com passagens marcadas para participar da solenidade na capital federal. Certamente na mala de viagem Bragion e Lucila trarão, para deleite de nós ouvintes, farto material em gravações e observações, que também irão compor futuros programas.

Fique ligado: o Educativa nas Letras vai ao ar pela FM 105,9 de Piracicaba sempre aos sábados (às 10h30) e domingos (às 21h), também com acesso na web, pelo site do programa.
Fotos: Jac©Edit

7 de outubro de 2010

Nobel de Literatura é de Vargas Llosa

Mario Vargas Llosa acaba de vencer o prêmio Nobel de Literatura de 2010, anunciado na sede da Academia Sueca, em Estocolmo, nesta quinta-feira, com o que o escritor peruano também terá direito a U$S 1,6 milhão. Comunicado do comitê indica que tal prêmio deve-se a "sua cartografia de estruturas de poder e suas imagens vigorosas sobre a resistência, revolta e derrota individual".

O novelista e ensaista já havia sido agraciado com o Prêmio Cervantes (1994) e o Príncipe das Astúrias de Letras Espanha (1986), entre outros, e é membro da Real Academia Española desde 1994.

Nascido em Arequipa, em 1936, Llosa passou a infância na Bolívia e, ao regressar ao Peru, estudou direito e letras. É tido como um dos maiores nomes da literatura em língua espanhola. Entre suas inúmeras obras estão Conversa na Catedral, A Casa Verde, Guerra do Fim do Mundo, Lituma nos Andes e A Cidade e os Cachorros.

Veja neste link uma entrevista completa com Vargas Llosa, 'Borges nos livra do complexo de inferioridade', assinada por Laura Greenhalgh e publicada no Sabático, de O Estado de São Paulo (2/out., pp. 84-85). Nessa matéria ele também fala sobre seu mais recente livro, Sabres & Utopias. Visões da América Latina (trad.: Bernardo Ajzenberg; Objetiva, 432p., R$ 50,00)

foto: Daniel O. de Olza, 2006/AP

6 de outubro de 2010

Morre na França Claude Lefort

O filósofo francês Claude Lefort morreu domingo passado aos 86 anos, noticiou hoje o diário francês Libération. Autor de consistente crítica do totalitarismo e de obras como A Invenção Democrática, nas quais defende que, numa sociedade democrática, o povo no poder é um princípio simbólico, não real, e, mais do que isso, irrealizável (pois a “precipitação do simbólico no real” causaria a sua perda). Pensamento este não só nada convencional, mas mesmo desconcertante.

Nascido em 1924, Claude Lefort era doutor em filosofia, lecionou na Universidade de Caen e tornou-se diretor na Escola de Altos Estudos e Ciências Sociais francesa. tendo também dado aulas na Sorbonne e na Universidade de São Paulo. Sempre crítico à antiga União Soviética e sua estrutura, foi marxista e trotskista, mas acabou afastando-se progressivamente de tais correntes. Fundou, junto com Cornelius Castoriadis, a revista e o movimento ‘Socialismo ou Barbárie’ (1948-1965), ligados ao libertarismo socialista. Escreveu também para a importante revista cultural Les Temps Modernes e dedicou grande parte da sua obra à análise do fenômeno totalitário e das carências da democracia.

Trata-se de uma questão mais que atual, principalmente quando em vários países latino-americanos são identificados crescentes movimentos de governos totalitários e explícitos ataques a um dos sustentáculos democráticos, a imprensa livre. Foi justamente para esmiuçar tal intrincada forma de conceber o modelo de democracia lefortiano que a Jacintha Editores acaba de publicar o oportuno O Enigma da Democracia. O pensamento de Claude Lefort, de Luciano Oliveira.

Resta aqui nossa homenagem ao grande pensador francês.

Foto: Aldo Soares, 1999

Mostra de Cinema Nordestino no SESI de Piracicaba

A 5.a Mostra de Cinema Nordestino no SESI de Piracicaba tem início nesta quarta (6/ago.) com os filmes o ficção Siri-Ará (CE, 2008) e o documentário O Homem que Engarrafava Nuvens (PE, 2009). Veja a programação:

Siri-Ará (quarta, 8h): 2008, 80 min., ficção, DVD
Direção: Rosembreg Cariry
Cioran é um mestiço brasileiro que, depois do exílio na França, resolve voltar ao sertão, em busca da sua origem e da história do seu povo. Por guia, toma a figura misteriosa de uma velha índia. O destino de Cioran, que vive novo exílio na nação real/imaginada, cruza com guerreiros do reisado e índios da banda de pífanos, grupos de folguedos dramáticos populares que vagam pelo sertão. Os conflitos entre o reisado e a banda nos remetem à tragédia fundadora do Ceará, quando D. Pero Coelho, em 1603, em sua busca pelo Eldorado, encontra guerra, peste, fome e loucura. O filme é uma reflexão sobre os encontros e desencontros dos 'mundos' que marcam a invenção da nação brasileira.
Elenco: Adilson Magah, Everaldo Pontes, Erotilde Honório, Juliana Carvalho, Richele Viana.
Classificação indicativa: livre, porém com temática complexa.

O Homem que Engarrafava Nuvens (quarta, 14h): 2009, cor, 100min., suporte DVD
Direção: Lírio Ferreira
Documentário musical sobre a vida e a obra do compositor, advogado, deputado federal e criador das leis de direito autoral Humberto Teixeira. Classificação indicativa: livre para todos os públicos.

SESI Piracicaba: Av. Luiz Ralph Benatti, 600 - Vila Industrial. Capacidade: 330 lugares
Informações: (19) 3403-5900 / 5928. Foto: divulgação filme Siri-Ará

Em Frankfurt, mercado livreiro, e-book e presença argentina

De novo o livro digital. Foco maior de discussões na Feira de Frankfurt de 2009, a mudança tecnológica no mercado livreiro continua a dominar este ano o maior evento internacional do mercado editorial. E o fato é que esse tão falado suporte eletrônico caminha a passos lentos em terras europeias. É o que constata a matéria ‘E-book, debates e roubo de óculos’ de Ubiratan Brasil, para o Estado de São Paulo de hoje (Caderno 2, D11).

Ele registra que, por exemplo, a venda de livros na Alemanha faturou 970 milhões de euros e, deste total, as edições digitais participaram com menos de 1%, e que apenas obras científicas usaram mais a nova ferramenta, a partir de dados fornecidos pelo diretor da Associação Alemã de Editores e Livreiros, Gottfried Honnefelder. Assim como aqui, os principais entraves seriam os impostos...

Enquanto isso, nos EUA o novo formato dobrou suas vendas desde o ano. Motivo maior reside no fato de os americanos movimentarem muito o comércio online, que tem prazo de entrega. Já com os e-books isso é reduzido a quase zero, pois pode ser baixado on line.

Nesta 62.ª edição da feira, que homenageia a Argentina, o pavilhão desse país está organizado como um labirinto, em homenagem a Jorge Luis Borges, e o espaço tem um jogo de amarelinha desenhado no chão, como referência a outro ícone literário, Julio Cortázar. Cerca de 60 escritores e 200 títulos participam da exposição argentina, que contará com a presença de escritores como Juan Gelman, Martín Kohan e Alan Pauls, além de noitadas de tango, exposições temáticas, exibições de filmes e uma gala lírica a cargo do maestro argentino-israelense Daniel Barenboim e do bandoneonista Rodolfo Mederos.

1 de outubro de 2010

‘O Enigma da Democracia’ terá lançamentos em Recife-PE

O livro de Luciano Oliveira O Enigma da Democracia. O pensamento de Claude Lefort está com lançamentos programados para outubro na capital pernambucana. O primeiro evento ocorrerá no dia 13 na Faculdade de Direito do Recife, onde o autor leciona sociologia jurídica, e o seguinte no dia 15, na ONG Gajop. Nesta publicação, o filósofo Claude Lefort, crítico radical do totalitarismo, tem suas ideias revisitadas pelo ensaísta Luciano Oliveira, como fruto do seu contato direto e contínuo com o pensamento do intelectual francês, sob cuja orientação doutorou-se em Paris.

Lefort é um dos maiores pensadores da política e, em particular, da democracia do nosso tempo, sob influência decisiva de Merleau-Ponty, de quem foi um dos principais alunos. Escritor de longos parágrafos e frases, desenvolvidos num “espiralado interminável”, no dizer de Marilena Chaui – que assina o prefácio do livro –, ele encontra em Luciano Oliveira um modo “claro, preciso e conciso” de abordgem. E Chaui ressalta: “estes qualificativos não são pequenos quando consideramos as peculiaridades do pensador a que este livro se dedica”, um autor dotado do senso da fórmula e do paradoxo, que, em lugar de definições e respostas, nos convida à interrogação, a exigir atenção redobrada do leitor.

Luciano Oliveira reconhece, e até reivindica, a influência da maneira lefortiana sobre sua própria visão de mundo – que, aliás, considera “um problema sem solução”, como intitula um dos capítulos do livro. Contudo, esse olhar ‘desencantado’, longe de significar crítica à democracia, para ele constitui a melhor maneira de encará-la e levá-la a sério, por ser o modo democrático de instituição social aquele que melhor responde ao desafio – angustiante, reconhece – de viver e conviver despido da crença de que alguma força política detém o segredo da felicidade humana.

Compõe o livro uma entrevista com o autor feita por Nuno Coimbra Mesquita, cientista político e pesquisador do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas-Nupps/USP.

LANÇAMENTOS

. Dia 13/out. (quarta), às 19h30, no Auditório Tobias Barreto da Faculdade de Direito do Recife: Rua do Progresso, 465 – Boa Vista/Recife; tel.: (81) 3131-6000.
Fundada em 1911, a Faculdade de Direito do Recife integra a Universidade Federal de Pernambuco e tem seu prédio tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Sua biblioteca possui mais de cem mil volumes, dentre eles os que compunham a biblioteca que pertenceu a Tobias Barreto. Pela FDR passaram nomes como Ariano Suassuna, Augusto dos Anjos e Castro Alves.

. Dia 15/out. (sexta), às 15h, na ONG Gajop (Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares): Rua do Sossego, 432, Boa Vista/Recife; tel.: (81) 3092-5252.
Criada em 1981, e sem vinculação com partidos nem fins lucrativos, o Gajop promove e defende os direitos humanos em Pernambuco, com vistas contribuir para a democratização do Estado e da sociedade brasileiros na perspectiva do fortalecimento da cidadania (www.gajop.org.br).

O Enigma da Democracia. O pensamento de Claude Lefort, de Luciano Oliveira. Pref.: Marilena Chaui; entrev. com o autor: Nuno Coimbra Mesquita; 128p.; 21 cm; R$ 30,00; ISBN 978-85-60677-12-2; Piracicaba: Jacintha Editores, 2010

30 de setembro de 2010

Maior vitrine de livros do mundo começa na próxima semana

A Feira do Livro de Frankfurt, que terá início na próxima quarta-feira (6/out.), deverá reunir sete mil expositores de mais de cem países e um público estimado em meio milhão de visitantes.

Desta vez, a programação incluirá conferências diárias sobre o futuro da mídia e da indústria criativa digital, dentro do projeto pioneiro Frankfurt Sparks, além de apresentações específicas em estandes e pavilhões especialmente construídos para expor produtos tecnológicos voltados ao mercado editorial (softwares, e-books, e-readers, aplicativos para celular etc.). Ao tratar temáticas atuais como edição, tecnologia e internet, o objetivo da Feira é incentivar o desenvolvimento de modelos de negócios coletivos.

Como outra atração há o fato de que, desde 1976, cada edição do evento abrir espaço especial para determinado país apresentar suas novidades editoriais. Este ano, a Argentina recebe tal homenagem; o Brasil terá vez em 2013.

Confira a programação, reserve a sua agenda e Gute Reise!

26 de setembro de 2010

Matéria televisiva sobre Lucília Reboredo e seu livro

Lucília Augusta Reboredo e o seu livro A Dança dos Beija-Flores no Camarão Amarelo são pauta da matéria produzida pelo jornalista Gustavo Nolasco para TV Claret de Limeira (2/set.), filiada à TV Cultura. Imperdível.

21 de setembro de 2010

Jazz e blues em Piracicaba

Neste fim de setembro Piracicaba terá duas atrações muito boas para os amantes do jazz e blues. De 23 a 26, o Bar Cruzeiro estará promovendo na cidade o Primeiro Cruzeiro Jazz Festival. Já no próximo dia 29 será a vez do autêntico blues, no Teatro Municipal, que receberá o grupo Feelin’ Bad Blues. São atrações que não podem ser perdidas por aqueles que gostam da boa música.

O Bar Cruzeiro, em iniciativa inédita em seus 70 anos de tradição, reforça sua referência como espaço musical piracicabano, dessa vez com a montagem desse festival de jazz nas instalações em que, no passado, havia uma cancha de bocha. Assim, a partir das 20h, na quinta teremos a banda Stand Up Jazz (jazz tradicional), composta por músicos de Piracicaba e Campinas há mais de dez anos na estrada, e o Duo Cigano (jazz manouche, ou cigano), dos violonistas Otiniel Aleixo e Fernando Seifarth, membros do Hot Club de Piracicaba. Dia 24 (sexta) sobe ao palco o grupo Doo-Bee-Zing - Jazz Trio e ainda o saxofonista argentino Hector Costita e Joseval Paes, do Swing Jazz. No sábado (25) apresentam-se o Binga Stunders Trio e Bob Wyatt, músico que desde 1981 tem tocado no Brasil. No último do festival (domingo), a programação terá início às 18h, com o Jam Fashion Jazz, reunindo músicos da região.

Já na quarta seguinte (29/set.), o Teatro Municipal trará, em sua sala 1, o Feelin’ Bad Blues, grupo formado há quatro anos e que, em sua estrutura atual, conta com o guitarrista Rodrigo Belloni (também responsável pelo vocal), o baixista Eduardo Belloni e o batera Bruno Marques. Preocupado com as verdadeiras origens do blues, o trio atua em vários estilos, como funk, chicago, texas e boogie, com o que tem feito apresentações cada vez mais regulares pelo Brasil.

Bar Cruzeiro (Rua Moraes Barros, 1.321 - Bairro Alto). Reserva de mesas: (19) 3422-4780 (para quatro pessoas: 60 reais, quinta; 120 reais, sexta e sábado; 40 reais, domingo). Confira: www.cruzeirojazzfestival.com.br (atente para a ótima trilha musical).
Teatro Municipal de Piracicaba (Av. Independência, 277, 19 3433-4952): ingressos antecipados a R$ 10,00 (19 8183-0879) ou em pontos de venda como Fractal e Mutantes. Confira: www.myspace.com/feelingbadblues.
foto: divulgação

17 de setembro de 2010

Os beija-flores de Lucília vão despertando emoções

Atentem para o sensível artigo assinado por Alexandre Bragion, que está postado no blog do Educativa nas Letras: 'Lucília Reboredo: os beija-flores, a palavra e a vida'. Nele, o escritor, professor universitário e radialista expõe suas impressões sobre aquilo que lhe despertou o livro de Lucília, chegando a classificá-lo como 'iluminado'.

Tendo por fundo remissões à Cabala, sistema filosófico-religioso judaico que remonta aos tempos medievais, Bragion debruça-se sobre A Dança dos Beija-flores no Camarão Amarelo e registra: "condenada pela sorte ao claustro de seu próprio corpo imóvel, Lucília, em particular instante genesíago, desdobrou-se em palavras, repartiu-se em texto, emanou-se em verbos – num movimento de expansão espiritual que é, ao mesmo tempo, redescoberta, reinvenção e renascimento".

Entre suas palavras finais, projeta: "Que o néctar que tanto ela leva consigo em sua palavra-vida, e que já nos alimenta hoje por meio de seu livro, nos seja sempre abundante e nos dê sempre a certeza de que a vida sempre é possível, desde que eternamente reinventada".

Vale a leitura integral do artigo original.

16 de setembro de 2010

São Paulo institui o Dia do Design Sustentável

Dois paradigmas bastante atuais no mundo dos negócios são a sustentabilidade, cuja diretriz é tornar processos e produtos ambientalmente mais corretos, socialmente mais justos e financeiramente mais rentáveis, e o design, como elemento capaz de diferenciar e agregar valor aos resultados da produção.

Por conta da estreita relação entre eles, em 2009 a data de 16 de setembro foi instituída na capital paulista como o Dia do Design Sustentável. E, ao completar um ano, é lembrada em postagem no site do SENAI SÃO PAULO DESIGN. Vale conferir a íntegra do artigo abordando tal assunto, e que trata ainda os desafios das indústrias e dos especialistas na área do design.

14 de setembro de 2010

Convite

Lançamento do livro

A Dança dos Beija-Flores no Camarão Amarelo. Curso e Percurso do Adoecimento
de Lucília Reboredo

Centro Cultural Martha Watts: Rua Boa Morte, 1.257, Centro – Piracicaba/SP. Dia 18/set. (sáb.), às 16h. Com exposição de mandalas e telhas pintadas pela autora, além de apresentação do Madrigal Cantabilis (reg.: Jan Szot)

A Dança dos Beija-Flores no Camarão Amarelo, de Lucília Reboredo. Apres.: Ely Éser Barreto César; 124p.; 25 cm; R$ 40,00; ISBN 978-85-60677-10-8; proj. gráf. e capa: Juliana Mesquita

O artista Wesley Duke Lee morre em São Paulo

'A verdade não pode ser dita, só revelada'. A frase, que Wesley Duke Lee gostava de usar, paradoxalmente muito diz do trabalho desse talentoso artista paulistano, morto domingo à noite (12/set.), no Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, aos 78 anos. Acometido do mal de Alzheimer durante os últimos três anos, sofreu uma broncoaspiração seguida de parada cardíaca.

Desenhista, gravador, pintor e professor, o provocativo e irriquieto Wesley Duke Lee nasceu em 21/dez./1931. Estudou desenho livre no Masp e depois cursou a Parson’s School for Design, em Nova York, tendo sido ainda aluno do pintor italiano Karl Plattner. Também trabalhou como ilustrador e publicitário. É tido como pioneiro da linguagem contemporânea nas artes plásticas no Brasil, ao produzir, já nos anos 60, pinturas com colagens, ‘happenings’ e criar ambientes instalativos.

O trabalho que ilustra esta postagem compõe a mostra da Pinakotheke Cultural, no bairro de Botafogo (Rio de Janeiro), que se estende até 2/out. próximo. A exposição anterior do artista havia se dado há 18 anos. Mas Wesley Duke Lee estará representado na 29.ª Bienal de São Paulo, que abre no próximo dia 25, como integrante do Grupo Rex, fundado por ele junto com os artistas Nelson Leirner e Geraldo de Barros. Apesar de ter tido curta duração (jun./66-maio/67), o grupo foi um grande inovador da cena paulista, ironizando o sistema da arte, seus museus e galerias.

Para imagens de suas obras e do próprio Wesley Duke Lee, acesse este link.

12 de setembro de 2010

‘O Enigma de Kasper Hauser’ na Sessão3C

Umas das obras-primas do cineasta alemão Werner Herzog, O Enigma de Kasper Hauser, será apresentada na próxima Sessão3C (Cinema, Conceito e Crítica), evento promovido por alunos do curso de Filosofia da Unimep, em Piracicaba. A projeção se dará no dia 17/set. (sexta), às 19h30, no bloco 2, Auditório Verde do campus Taquaral,

O filme, cujo título original (Jeder für sich und Gott gegen alle) significa literalmente "cada um por si e Deus contra todos", aborda a história envolta em mistério do abandono de uma criança na Alemanha do século XIX, criada acorrentada num porão e com possíveis ligações com a família real de Baden.

Após a projeção se dará o debate ‘Entre a natureza e a cultura’, com participação dos professores Nilton Júlio de Faria, doutor em psicologia social e coordenador do curso A Subjetividade Vista pelo Cinema, da PUC-Camp, e Josiane Maria de Souza, doutora em teoria literária e coordenadora do Curso de Letras, Licenciatura em Português, da Unimep.

Sessão3C : O Enigma de Kasper Hauser; dir.: Werner Herzog; 1974, 110 min. Entrada gratuita e aberta a todo público. Para os alunos haverá certificado de participação. Mais informações: Natalia Puke (nataliapuke@yahoo.com.br)
foto: divulgação

7 de setembro de 2010

Livro de Lucília Reboredo em destaque!

O programa ‘Piracicaba em Destaque’, que em outubro completa 18 anos de atividades na televisão piracicabana, entrevistou a profa. Mariá Pelissari, a Peli (à direita na foto), em função do lançamento do livro A Dança dos Beija-flores no Camarão Amarelo, de Lucília Reboredo, no Centro Cultural Martha Watts (18/set., sáb., às 16h). Sob o comando do jornalista César Costa (ao centro), o encontro contou ainda com a presença de Heitor Amílcar, jornalista diretor da Jacintha Editores. Essa edição do programa irá ao ar na próxima quinta-feira (9/set.), às 22h, e no sábado (11), às 16h, sempre pelos canais 32 e 26 UHF e 21 da NET, com transmissão simultânea pelo site da TV Beira Rio de Piracicaba.

Outro espaço de divulgação que o comovente livro de Lucília ganhou foi no programa radiofônico ‘Educativa nas Letras’. Além da entrevista com Peli, há depoimentos de amigos da autora, leitura de trechos da publicação e apresentações musicais que, com muita sensibilidade escolhidas pela direção do programa, complementam a própria proposta editorial deste livro, expondo de modo mais poético o universo de Lucília. Coordenado por Alexandre Bragion e Lucila Calheiros (esta, ao fundo, na foto), o programa irá ao ar pela FM 105,9 de Piracicaba, nos dias 11 (sáb., às 10h30) e 12/set. (dom., às 21h), também com acesso pelo site do ‘Educativa nas Letras’.
Fotos: Jac©Edit

6 de setembro de 2010

Salão de Artes de Vinhedo premia artistas piracicabanos

O fotógrafo Júlio Cesar Garbelline, de Piracicaba, foi contemplado com o Prêmio Aquisitivo no Salão de Artes de Vinhedo (SP), que ocorre no Centro Cultural Eng. Guerino Mário Pescarini dessa cidade. Os três trabalhos (foto de um deles) submetidos ao júri foram aceitos, o que não é muito comum nesse tipo de concurso. “Foi a coisa mais bacana que aconteceu pra mim neste ano”, afirma Júlio. “Não pensava em ter reconhecimento tão cedo. Isso assusta e ao mesmo tempo que me emociona.” Duas outras fotos de sua autoria já haviam sido selecionadas para o Salão de Artes de Ribeirão Preto Nacional Contemporâneo (6/ago.-26/set.), o que indica o reconhecimento da produção do jovem fotógrafo.

No mesmo Salão de Artes de Vinhedo, a artista plástica Marilu Trevisan também emplacou três trabalhos em xilogravura, tendo um deles obtido Prêmio Aquisitivo. Essa exposição, com 225 obras de 70 artistas em modalidades como pintura, fotografia, grafite, litogravura, nanquim e escultura, fica aberta ao público até dia 19 de setembro, de 2.a a 6.a, das 9h às 20h, e aos sábados até as 15h.

Centro Cultural Eng. Guerino Mário Pescarini: R. Monteiro de Barros, 101, Centro de Vinhedo

2 de setembro de 2010

‘Infinitudes aos Pedaços’, exposição de Ângelo Milani

A exposição ‘Infinitudes aos Pedaços’, com trabalhos do artista plástico Ângelo Milani (foto em seu ateliê), terá abertura no dia 9/set. (quinta), das 19h às 22h, no Lugar Pantemporâneo, na capital paulista. Contará com 17 trabalhos em esmalte sintético sobre recortes de madeira, em que se destacam o intenso colorido em volumes sobrepostos e vazados, por vezes superando os 3 metros.

Casado com a também artista plástica Cláudia Villar e pai da Lara – já de incontíveis pendores artísticos, que o diga o gato de sua casa... –, o paranaense Ângelo Milani afirma procurar “o diálogo das formas e cores com o vazio”. Suas peças cromáticas, que na exposição ‘Recortes’, em 2001 (Museu Brasileiro de Escultura, São Paulo), obtinham espacialidade escultural, agora em ‘Infinitudes aos Pedaços’ vêm a público em molduras de alumínio, ganhando cada conjunto ainda mais leveza pela própria ‘incompletude’ em que são contidas. Tal incompletude nos leva a vazar o olhar em extensão ao fundo sobre o qual são expostas as obras. Provoca-nos mesmo redimensionar a mirada sobre elas – talvez simplesmente, como registra o artista, pelo fato de “as sombras exibirem o etéreo”.

Para quem declaradamente é avesso a “formas acostumadas’, Ângelo faz imperar em seus trabalhos fulgurância de cores, liberdade de formas lúdicas e harmonia em suas sobreposições, alcançando resultados que o mantêm em vigoroso movimento de experimentações e crescimento artístico, a bom deleitar o senso estético do público apreciador das artes plásticas. Quem estiver em São Paulo, ou por lá passar, tem assim a ótima oportunidade de conferir, até o início de outubro, uma das mais dinâmicas exposições oferecidas na cidade.

Confira no vídeo abaixo algumas obras desta exposição (ou: http://www.youtube.com/watch?v=J7pDCB-tIPo).

‘Infinitudes aos Pedaços’, de Ângelo Milani. De 10/set. a 2/out., de 2.a a sáb., das 10h às 18h. Lugar Pantemporâneo Av. Nove de Julho, 3.653 - Jd. Paulista - São Paulo. (11) 3018-2230
Foto: Jac©Edit

31 de agosto de 2010

Educativa nas Letras traz o livro de Lucília Reboredo

Ao citar situações que lhe deram pistas de como poderia viver um outro cotidiano a partir do adoecimento que a acometeu, Lucília Reboredo faz o seguinte registro em seu livro, indicando também a origem do próprio título por ela escolhido para a publicação:

A primeira delas refere-se à minha própria imobilidade, pois ela me impunha apreciar por longo tempo cenas que raramente seriam vivenciadas por pessoas que se locomovem normalmente. Meu lugar preferido no jardim da casa era a churrasqueira, que tinha à sua frente um caramanchão florido e vários pés de camarão amarelo. Nesse lugar, eu podia contemplar, a menos de um metro, o voo, a dança e o pouso dos beija-flores no camarão amarelo. Quando se juntavam vários desses pequenos pássaros, formava-se uma imagem inesquecível. O sol ofertava variados matizes de azul e aquele bailado intensificava-se em seu colorido. Soube que essa dança maravilhosa traz um custo alto aos beija-flores, pois o esforço ali despendido faz com que levem uma vida curta” (p. 63).

Trecho lido por Peli Mariá Aparecida Pelissari (foto), durante entrevista ao programa Educativa nas Letras (FM 105,9), de Piracicaba, sobre o lançamento do livro A Dança dos Beija-flores no Camarão Amarelo, de Lucília Reboredo, dia 18/set., às 16h, no Centro Cultural Martha Watts. Essa edição do programa, sempre sob o comando de Alexandre Bragion e Lucila Calheiros Silvestre, terá transmissão dias 11 (sáb., às 10h30) e 12/set. (dom., às 21h), inclusive por acesso pela web.
Foto: Jac©Edit

26 de agosto de 2010

'Rosencrantz e Guildenstern estarão sempre lá'

O Projeto Psicanálise em Extensão, promovido pela Clínica de Psicanálise de Piracicaba, apresenta, neste domingo (29/ago.), Rosencrantz e Guildenstern estão mortos, filme do dramaturgo inglês Tom Stoppard. Tendo por base dois personagens de Hamlet, de Shakespeare, o filme traz esses cortesões do palácio como uma dupla atrapalhada (Gary Oldman e Tim Roth), que não percebe estar sendo usada pelo rei para liquidar o jovem Hamlet. A produção de 1990 é adaptada da peça homônima dirigida pelo próprio Stoppard, em 1967 em Londres, então com enorme sucesso.

Esses dois personagens são referidos pelo psicanalista Jacques Lacan na lição de 6 de dezembro de 1967 do Seminário 15 (‘O Ato Psicanalítico’) e, com isso, após a projeção haverá uma conversa com o público presente, mediada pela psicanalista Marta Togni Ferreira, médica psiquiatra, membro da Escola de Psicanálise de Campinas (EPC), convidada especialmente para o evento.

Segundo Márcio Mariguela, coordenador do projeto, Lacan considerava muito significativos esses personagens. Nas palavras do psicanalista francês, "Um e outro, nos diz o título da peça, estão mortos. Antes fosse verdade! Nada disso, Rosencrantz e Guildenstern estarão sempre lá". Anteriormente, Lacan já havia evocado ambos no seu escrito ‘A instância da letra no inconsciente’, exposição de 9/maio/57 aos membros do grupo de filosofia da Federação dos Estudantes de Letras, no anfiteatro Descartes, na Sorbonne, Paris.

Filme: Rosencrantz e Guildenstern estão mortos, 117 min, 1990; dir. : Tom Stoppard. Sessão: 29/ago. – dom., às 16h
Local: Clínica de Psicanálise – R. Prudente de Moraes, 1.314 – Bairro Alto – Piracicaba
Inscrições gratuitas: mmariguela@gmail.com (vagas limitadas)
Foto: divulgação

‘Reciclonices’ no Sesi-Piracicaba

O teatro do SESI Piracicaba traz neste fim de semana (28 e 29/ago.), às 16h, o espetáculo Reciclonices, no qual três catadores de papel se aventuram em descobrir a história dos objetos e o sentido para o termo 'sustentabilidade'. Sob a direção de Charles Geraldi, as situações dramáticas divertidas da montagem permitem que os atores estabeleçam com o público jovem um diálogo mediador entre o desenvolvimento urbano e a preservação ambiental.

Duração: 60 min.; gênero: fábula; modalidade: infantil; classificação: livre; entrada: franca
SESI Piracicaba: Av. Luiz Ralph Benatti, 600 - Vila Industrial. Capacidade: 330 lugares
Informações: (19) 3403-5900 / 5928

24 de agosto de 2010

Espaço Cultural da Ema e Pássaro Preto é inaugurado

Novo espaço cultural é aberto em Piracicaba: o da Ema e Pássaro Preto Instrumento de Percussão. Com proposta de cursos e oficinas de artes plásticas em linguagens como desenho, pintura, gravura, xilogravura e modelagem na argila, de oficinas de percussão com foco nos ritmos regionais e montagem periódicas de exposições, a inauguração se dará nesta sexta (27/ago.), às 18h, na sede do grupo: Rua Moraes Barros, 176 – Centro (ao lado da Pinacoteca).

No mesmo local funcionará também o Bloco da Ema e do Porto Maracatu, e ainda o principal ponto de venda dos instrumentos de percussão Pássaro Preto, de confecção artesanal. A programação do evento contará com a abertura da exposições de pintura do multi-artista Tony Azevedo e de instrumentos de percussão de Fabiano Nogueira. E ainda: telão com o filme Acorda Povo, Viva São João!, do Cineasta Roberto Machado, apresentações como das associações de Capoeira Engenho Central (mestre Geninho), Afro Desp. e Cultural Eres (mestre Vandeco) e Resgate da Capoeira (mestre Miço), entre várias outras atrações.

Contatos: (19) 3422-6396 – 9188-8237 – 9175-5320

23 de agosto de 2010

Na era do e-book, indústria aposta no livro de papel

Em plena era das mídias eletrônicas, a indústria vem investindo no desenvolvimento de novos tipos de papel com vistas ao suporte impresso. Matéria do caderno Negócios do jornal O Estado de São Paulo (21/ago./10, p. B17), assinada por Fernando Scheller, aponta que grandes empresas têm aprimorado papéis especiais para editoras e estão prevendo alta de até 30% na produção para o segmento neste ano.

O artigo “Na era do e-book, indústria aposta no livro de papel” destaca que a estratégia, como a da Suzano Papel e Celulose, de criar papel novo para uma leitura mais agradável aos olhos, os chamados papéis off-white, mira a expansão na oferta para impressão já em 2010. Os números são significativos: a MD Papéis, por exemplo, produz 12 mil toneladas/ano do Chamois, de cor amarela, e a Suzano fabricou 9 mil toneladas ano passado.

Tadeu Souza, diretor comercial da MD Papéis, também descarta que os e-books venham a atrapalhar o desempenho das vendas para as editoras. "Os livros eletrônicos não substituem a experiência do papel. Um livro pode ser grifado, emprestado a outros e guardado", afirma ele. E a matéria de Scheller ainda traz outros dados interessantes do mercado editorial: “a produção e a venda de livros cresceram acima da média da economia em 2009, quando o PIB brasileiro recuou 0,2%. A produção de livros saltou 13,5%, para 386 milhões de exemplares”.

Leia na íntegra tal artigo clincado aqui neste link.
Foto: Jac©Edit

19 de agosto de 2010

Dia nacional da fotografia


Um brinde ao Dia Nacional da Fotografia!


Por lembrança do fotógrafo sempre atento Julio Garbellini.
Fotos: Jac©Edit

18 de agosto de 2010

Cangaço, assunto sempre em pauta

O Caderno 2 de O Estado de S. Paulo (p. D3) de hoje traz matéria tratando o livro O Outro Olho de Lampião, do jornalista Artur Aymoré, em análise comparativa a Os Cangaceiros, Ensaios de Interpretação Histórica, do historiador Luiz Bernardo Pericás (Boitempo, 316p., R$ 54,00). Assinada pelo jornalista e escritor Moacir Assunção, o artigo 'Cangaceiro, um assunto delicado', publicado na seção 'Livros. Lançamentos' indica serem ambas publicações sérias que devolvem ao cangaço lugar de honra na academia. Moacir, também autor de Os Homens que Mataram o Facínora (Record, 216p.), considera que tais livros "jogam mais luzes sobre este tema, quase sempre tratado com algum menosprezo pela academia".

Para deleite dos interessados no tema, o mesmo Caderno 2 traz ainda, em sua primeira página, a matéria "A moda do cangaço", de Ubiratan Brasil, abordando Estrelas de Couro, a estética do cangaço, livro de Frederico Pernambucano de Mello (Escrituras; 258p.; R$ 150,00), que revela o gosto apurado dos bandoleiros na vestimenta e nos instrumentos para a caatinga.

O Outro Olho de Lampião. A imprensa e o cangaceiro. Pref. ALBERTO DINES; 192p.; 21 cm; R$ 38,00; ISBN 978-85-60677-09-2; Piracicaba: Jacintha Editores, 2010
Ilustração: Sérgio Sdrous

12 de agosto de 2010

Sarau ‘O Olhar e a Obra: (des)estática’ em Sampa

A Rede Clínica de Psicanálise Um Lugar, de São Paulo, está promovendo neste sábado (14/ago.), o sarau ‘O Olhar e a Obra: (des)estática’. Com apresentações musicais, um debate coordenado pela psicanalista Cláudia Vigna (‘Arte e psicanálise‘) e ainda queijo e vinho no cardápio cultural, o evento contará também com a abertura da exposição ‘Recortes urbanos’, do artista plástico André Ricardo (detalhe de uma de suas obras ilustra esta postagem).

‘O Olhar e a Obra': Rua Cardeal Arco Verde, 833/cj 1, Pinheiros – São Paulo; 15h abertura; 18h exposição; curadoria: Juliana Froehlich

Rede Clínica de Psicanálise Um Lugar: (11) 3266-2601; um.lugar@yahoo.com; www.umlugarpsicanalise.blogspot.com
Obras de André Ricardo: www.andrericardo10.blogspot.com

9 de agosto de 2010

Falando da Vida em seus 25 anos!

O Falando da Vida está fazendo 25 anos de apresentações anuais ininterruptas, com puro sucesso de público e de crítica. Composto por 22 músicos, o grupo trará o show ‘Marcas do Tempo’ no próximo fim de semana (13 a 15/ago.) no Teatro Municipal de Piracicaba, pautado pelas marcas do Falando: vocal, duetos, música da terra, clássicos nacionais e internacionais e rock, com canções que marcaram os 24 shows anteriores.

Como sempre, os espetáculos terão arrecadação beneficente, dessa vez destinada à VACCIP e à Aliança de Misericórdia. No total, as doações dos anos anteriores representaram cerca de U$ 160.000,00 a entidades assistenciais de Piracicaba, como Lar Betel, Casa do Bom Menino, Creche São Vicente de Paula, C.S. Cáritas, APAE etc.

Falando da Vida: www.falandodavida.com.br
‘Marcas do Tempo’: Teatro Municipal dias 13 (6.a, às 21h), 14 (sáb., às 21h30) e 15 (dom., às 20h). Produção e direção geral: Newman Ribeiro Simões; direção musical: Janu; coordenação: André Cillo

5 de agosto de 2010

'Escrever com os olhos para reinventar a vida'

A Dança dos Beija-flores no Camarão Amarelo, de autoria de Lucília Reboredo (Jacintha Editores, 2010, 124p.) está com lançamento marcado: 18/set., no Centro Cultural Martha Watts, em Piracicaba. Acometida por esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença neurológica que lhe paralisou os comandos motores, Lucília redigiu tudo aquilo aí disponibilizado ao leitor 'soletrando com os olhos’, única parte do corpo sobre o qual tem domínio. Em um processo lento, o movimento dos olhos indica letra a letra, a partir de uma tabela alfanumérica que uma pessoa lhe apresenta: cada letra é anotada para compor as palavras e frases que a autora quer expressar.

Assim, neste sábado (7/ago.), o Jornal de Piracicaba trará artigo do psicanalista Márcio Mariguela a respeito desse livro da 'guerreira amazona', como ele chega a nomear Lucília. Profundamente tocado pela leitura do “lúcido exercício psíquico” da autora, Mariguela assina no JP 'Escrever com os olhos para reinventar a vida' (p.3), em que trata a mulher sensível e a professora de psicologia social com atuação política, "marcada pelo compromisso com o resgate da cidadania através de novos laços de convivência social".

Além de comentar os que, como ele, tiveram o privilégio de conviver com Lucília no ambiente acadêmico, Mariguela se concentra em alinhavar, a partir da própria narrativa de Lucília no livro, a constante reinvenção de possibilidades comunicativas da professora, que "logo percebeu que a ELA não paralisava sua criatividade". E, como sempre fez em sua vida, refez-se na criação de outras maneiras de se expressar, até fazer-se escritura no próprio livro, como inscrição da vida que lhe é própria.

Delicado e muito bem costurado, o artigo de Mariguela no JP constitui um ótimo introito a essa publicação de Lucília Reboredo, a ser lançado no mês que vem!

Imagem: mandala 'Amanheceu novo dia com ELA', de Lucília Reboredo

3 de agosto de 2010

Casa do Salgot recebe o artista plástico Stevenson Moschini

Verdadeiro espaço de cultura, a Casa do Salgot Sabores & Saberes inaugura, neste sábado (7/ago.), às 17h, a exposição 'Cheio de gente, cheio de bicho', do artista plástico Stevenson Moschini. Com suas obras em técnica mista, acrílica e óleo sobre tela, o artista piracicabano tece em seus trabalhos o contraste da serenidade e leveza, em meio ao confuso e caótico. Algo que o crítico de arte Oscar D’Ambrosio classificou como ‘santa insatisfação’: “o descontentamento se torna visível na constante busca que cada tela propõe. O grande assunto é a procura de uma solução plástica para uma energia que extravasa em cada nova composição, marcada por um saber muito pessoal, desenvolvido na mistura do pensar com o fazer”.

Stevenson é graduado em geografia pela Unesp (Rio Claro) e possui mestrado em educação, pelo núcleo de Filosofia da Unimep (Piracicaba). Neste ano já havia exposto na mostra coletiva de inauguração do Ponto de Cultura Garapa e também como um dos participantes da exposição ‘Divino Espírito Santo’ no Lao Bar, ambos em Piracicaba. Agora a Casa do Salgot, sob o comando da sempre elétrica Lídice Salgot e do seu irmão Francisco Sérgio, terão a satisfação de recepcionar o artista.

Casa do Salgot Sabores & Saberes: (19) 3432-8647; http://www.casadosalgot.com.br/
Rua Floriano Peixoto, 2.088 - Bairro Alto (ao lado do Itaú da Av. Independência) - Piracicaba
Período da exposição: 9/ago. a 2/set.; de 2.a a 6.a-feira, das 10h às 19h30; aos sábados, das 10h às 13h30

III Fórum de Tradições Populares de Piracicaba

Formado pela reunião de diversas instituições da cidade para articular, discutir e fomentar políticas culturais em torno da cultura popular tradicional, o Fórum das Tradições Populares de Piracicaba entra neste mês em sua terceira edição. Tais políticas, articulações e incentivos promovidos por ele, no ano em que o evento se torna lei municipal, são importantes para salvaguardar a própria identidade da cidade, seu futuro sustentável e a qualidade de vida do povo que nela habita e a constrói. Para tanto, o envolvimento e compromisso da mais ampla de representantes de nossa comunidade se faz decisivo.

Programação

12/ago. – 5.-feira
17h - Abertura da mostra Tradição Popular em Arte de Piracicaba
Local: Centro Cultural Martha Watts, Rua Boa Morte, 1.257

18/ago. – 4.-feira
18h30 - Fórum na roda - bate papo sobre cultura tradicional e pertencimento
Local: Centro Cultural Martha Watts. Rua Boa Morte, 1.257

21/ago. - sábado
16h - Visita ao marco zero de Piracicaba
18h - Intervenção teatral do núcleo de artes cênicas do SESI
19h - Abertura oficial
19h30 - Show com Orquestra de Viola de Piracicaba e cururueiros, seguido de festa
Local: Armazém 14 do Engenho Central

22/ago. - domingo
10h - Oficina de educomunicação
16h - Oficina de ritmos e danças tradicionais
17h - Ciranda com Batuque de Umbigada, Samba Lenço, Congada do Divino e outras manifestações
19h - Nomeação do guardião do estandarte do Fórum seguido de festa
Local: Armazém 14 do Engenho Central

30/ago. – 2.-feira
17h - Encontro de avaliação
Local: Lao Bar Bistrô. Rua do Vergueiro, 156

Mais informações: www.tradicoesdepiracicaba.com.br/
Participe e ajude a divulgar!
Pró-Cultura de Piracicaba: Rua Saldanha Marinho, 248 - Centro - Piracicaba. (19) 3301-2201 / 3374-0764 / 9603-1996; procultura.depiracicaba@gmail.com
Foto: Jac©Edit

1 de agosto de 2010

Centro Avante: visite-o antes de ir a Sampa

Morar em uma grande cidade ou em uma pequena pode constitui opção de vida, para aqueles que têm condições de fazer tal escolha: o agito e oportunidades das metrópoles versus o ritmo mais pacto de cidades interioranas. Mais há um fato inegável: a força diferencial que uma cidade como São Paulo possui, por exemplo, no quesito produção cultural. Goste-se ou não dela, moremos ou não nela por opção (ou não...), se você quer ficar antenado no que vai de mais diverso e atual, há que se passar por lá.

Para os estudantes de jornalismo do interior paulista, em particular, e para todos aqueles futuros profissionais ligados à comunicação e humanidades que, a distância média e servidos pelas boas estradas do estado, podem regularmente ter acesso a essa característica da capital, fica aqui a dica de um site rico em informações sobre o que vai na cultura da gigante São Paulo: Centro Avante, do grupo Globo/revista Época.

O centro da nossa maior cidade é aí vasculhado e apresentado naquilo que possui de mais interessante em teatro, música, sebos, pintura, arquitetura, exposições, urbanismo, intervenções... Textos bem conduzidos, farto material fotográfico, muito boa diversidade de assuntos.

Lamento pelos que insistem em alimentar birra com São Paulo, mas ela é obrigatória! E, antes de futuras visitas, passe por esse site para aproveitá-la ainda mais.

Foto: Fabio Knoll, para a exposição “Cortiços – a experiência de São Paulo”, Estação Júlio Prestes, em matéria ‘Por dentro dos cortiços’, de Nathalia Ziemkiewicz (29/jul./10)

Jornalismo e novas tecnologias

A revista Época desta semana (2/ago./10) traz editorial abordando aspecto extremamente atual sobre o jornalismo: novas tecnologias e o futuro da profissão. Assinado pelo diretor de Redação Helio Gurovitz, o texto identifica que a diversidade de opções e a redução de custos para se publicar propiciadas pelas tecnologias digitais permitem que todo mundo pode publicar qualquer coisa no ciberespaço, e com isso ainda se achar jornalista. Daí, no mar de blogs e sites que habitam a web, navegarem as opiniões das mais contundentes e versões de fatos das mais desencontradas.

No referente à efetiva prática jornalística em tal suporte, ressente-se a falta das características essenciais do jornalismo: informações verazes e equilíbrio entre as várias versões na interpretação dos acontecimentos. A revista defende, assim, serem os jornalistas necessários para cumprir uma missão importantíssima numa sociedade democrática, que, ‘embora aparentemente ao alcance de qualquer um, depende de conhecimentos técnicos e de um tipo de sensibilidade para os fatos que só pode ser desenvolvido lidando com as informações de modo profissional”. E assevera: “acreditamos na responsabilidade e no equilíbrio”.

Com isso, remete ao recente exemplo em que as novas tecnologias se valem do exercício do jornalismo sério: o tratamento dispensado pelo site WikiLeaks, comandado pelo australiano Julian Assange. O site reúne um grupo de hackers com o objetivo de vazar na internet segredos de Estado e informações sensíveis. Se por um lado há um claro viés jornalístico no levantamento de informações, por outro elas são disponibilizadas em sua forma bruta, distante dos procedimentos das redações convencionais.

Ao obter 90 mil documentos secretos sobre a Guerra do Afeganistão, e percebendo a imensidão do impactode tal material, o WikiLeaks resolveu compartilhá-los com os jornais The New York Times (americano) e The Guardian (inglês) e a revista alemã Der Spiegel, para que as informações ali contidas fossem avaliadas e analisadas. Desse modo consubstanciadas, foram então divulgadas em parceria com essas publicações. A responsabilidade ética aí envolvida levou, por exemplo, a se omitir do pacote todos os documentos que pudessem colocar vidas em risco.

Com esse exemplo do site WikiLeaks, tratado na mesma edição de Época em matéria assinada por Paulo Nogueira ‘As bombas e o jornalismo’ (p. 82), o editorial conclui que “esse novo tipo de jornalismo promete ter consequências muito mais duradouras e relevantes do que o opinionismo vazio que emana da blogosfera”.

28 de julho de 2010

Marilu Trevisan: referência na xilogravura em Piracicaba

“Inovadora e experimental”. Eis como a obra de Marilu Trevisan foi definida por um dos curadores da 1.a Mostra Sapientiae de Arte Contemporânea, Francisco Ferraz Jr., quando da participação da artista, em maio passado, nesse evento em Piracicaba. Incansável pesquisadora em técnicas como de xilogravura, isogravura em cerâmica, papel e tecido, Marilu é formada em Artes Plásticas (Faculdade de Belas Artes de São Paulo), Educação Artística (Faficile) e Pedagogia (Unimep). Foi na Belas Artes, onde ingressou em 1964 – então instalada no prédio onde hoje está a Pinacoteca do Estado, na capital paulista –, que ela conheceu a xilogravura. Nunca mais parou de criar e de se reinventar com ela.

Desde 1967 Marilu participa de mostras coletivas e individuais no país e no exterior (como na França e Nicarágua), tendo conquistado diversos prêmios e menções honrosas em salões por todo o Brasil. Entre os prêmios obtidos pela artista estão: 'Prêmio Aquisição – Xilogravura', no XXXII Salão Paulista de Belas Artes de São Paulo; 'Prêmio Aquisição – Xilogravura', no XIX Salão de Arte Contemporânea de Santo André; 'Prêmio Melhor Obra', no XIV Salão de Artes Plásticas de Rio Claro; e 'Prêmio Especial', no II Salão de Artes Plásticas de São Bernardo do Campo.

Marilu ministra oficinas e tem suas obras em permanente exposição no aconchegante ateliê quem mantém em Piracicaba, à Rua Dez de Novembro, 142, no bairro de São Judas. Visitá-la não é só prazeroso pelo contato com a diversidade de sua produção, mas também por se poder travar conhecimento com essa artista piracicabana plena de vida e acolhimento.
Marilu Trevisan: marilu@folha.com.br; (19) 9708-0394
Fotos: Jac©Edit

26 de julho de 2010

'O Enigma da Democracia', de Luciano Oliveira, entra em gráfica

Mais um livro da Jacintha prepara-se para chegar a público. Dessa vez serão as ideias do filósofo Claude Lefort, crítico radical do totalitarismo – não, certamente, a partir de uma perspectiva liberal –, o objeto de nossa mais nova produção editorial. Assinada por Luciano Oliveira, e com prefácio de Marilena Chaui, as concepções de Lefort, de fundamental importância como crítica radical ao totalitarismo, são aqui esmiuçadas a partir da abordagem sempre muito dinâmina que Luciano confere a sua escrita.

Doutor em sociologia pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (Paris) e, atualmente, professor de sociologia jurídica na Faculdade de Direito do Recife, Luciano debruça-se sobre o pensamento de Lefort como resultado do seu contato direto e contínuo com as concepções do filósofo francês, sob cuja orientação cursou o doutorado na França e escreveu uma tese versando sobre democracia, direitos humanos e o pensamento político de esquerda no Brasil. Ele reconhece e até reivindica que a maneira lefortiana de considerar o fenômeno político teve influência muito grande na sua própria maneira de encarar o mundo – que, aliás, considera “um problema sem solução”, como intitula um dos capítulos do livro. Para Luciano, esse olhar “desencantado”, longe de significar uma crítica à democracia, constitui a melhor maneira de encará-la e levá-la a sério, por ser o modo democrático de instituição da sociedade aquele que melhor responde ao desafio – angustiante, reconhece – de viver e conviver despido da crença de que alguma força política detém o segredo da felicidade humana.

A edição traz ainda uma entrevista na íntegra com o autor, comandada pelo cientista político Nuno Coimbra Mesquita, o que certamente em muito ajuda a completar esse olhar sobre o sempre indispensável Claude Lefort. No pingue-pong de perguntas e respostas, a análise de Luciano, aí de modo mais coloquial, como que complementa sua abordagem ao pensamento lefortiano, com o que agradecem os leitores novatos de Lefort.

O Enigma da Democracia. O pensamento de Claude Lefort, de Luciano Oliveira
Prefácio: MARILENA CHAUI; entrevista com o autor: NUNO COIMBRA MESQUITA
128p.; 21 cm; ISBN 978-85-60677-12-2; capa: Marcela Comelato
Piracicaba: Jacintha Editores, 2010 [no prelo]

19 de julho de 2010

Jornalismo melhor, com a internet

A coluna de Paulo Nogueira desta semana na revista Época traz um depoimento bastante interessante sobre as possibilidades que a internet abre ao jornalismo. Nada que nós, jornalistas, não tenhamos percebido e vivenciado, mas não custa lembrar e registrar uma vez mais.

O acesso rápido e gratuito a bancos de informações no mundo inteiro, as entrevistas feitas a longas distâncias pelo Skype, sem abrir mão de esquadrinhar as expressões do entrevistado, a facilidade de chegar ao texto final e ao formato com que ele será publicado, dispensando a refeitura nas laudas e a dificuldade de decifrar as palavras debaixo das canetadas do editor, a agilidade dos tradutores de texto, a contribuição dos editores de imagens...

Isso tudo, sem contar que hoje em dia jovens jornalistas – e também os de gerações anteriores, como eu – conquistamos maior independência com relação aos empregos nos veículos tradicionais, uma vez que a plataforma digital torna possível publicar informações e opiniões em nossos próprios blogs e sites. E, com isso, garantir o “pão nosso de cada dia”, desde que atestada a credibilidade das informações publicadas e conquistado razoável número de leitores seguidores.

Assim, o jornalismo na web vive a sua segunda década já com muita história pra contar, sobretudo o chamado jornalismo regional, aquele distante do que é praticado pelos jornalões e por outros meios de informação focados nas grandes cidades brasileiras.

Graças à internet, novos veículos no interior de São Paulo, por exemplo, despontam como potenciais fóruns de notícias, comprometidos com a verdade dos fatos, a cultura e a identidade de sua região, a ética do fazer jornalístico e as aspirações do público local. Um desses sites, o Limeira Notícias: você conectado com a informação, acaba de ser criado em Limeira (SP) por ex-alunos meus da faculdade de jornalismo nessa cidade. Desejo a eles o merecido sucesso.

Foto: Jac©Edit